7ª edição do Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia começa hoje e vai até 2 de novembro


A programação inclui 31 espetáculos da França, Espanha, Chile, Argentina e seis estados brasileiros que apresenta propostas artísticas de criadores de várias partes do mundo e do Brasil, apontando os rumos da produção contemporânea em artes cênicas. Há espetáculos gratuitos e com ingressos que variam de R$8 reais a R$ 16 reais.

O festival é realizado na capital bahiana Salvador e na cidade Madre de Deus com mostra artística e atividades paralelas que se distribuem por vários espaços, teatros, casas de espetáculos, centros culturais, lugares não tradicionais e vias públicas, que se tornam palco para encenações inovadoras e de múltiplas linguagens

Da Espanha, o encenador Roger Bernard chega com três produções: Pendiente de Voto, Domínio Público e A Sagração da Primavera, todos com uma proposta de colocar o espectador no centro da ação cênica. Já Guillermo Calderón, do Chile, traz o espetáculo Escuela, de forte tom político, com o qual tem se destacado o teatro chileno. Lola Arias, da Argentina, apresenta Melancolía y Manifestaciones, visitando as próprias memórias para reconstruir cenicamente a imagem da sua mãe e do período da ditadura militar. A França comparece com duas produções. A primeira é a intervenção urbana Les Scotcheurs Eclairés, do grupo Systèmes K, que “envelopa” as pessoas nas ruas, transformando suas formas em estátuas que são iluminadas à noite.

Já a companhia Sacékripa mostra o espetáculo Vu, sobre as pequenas obsessões cotidianas. Os estados brasileiros Piauí, Rio Grande do Norte, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia também marcam presença no festival. Destaque para a carioca Cristiane Jatahy com um trabalho que propõe uma interseção singular entre teatro e cinema. Em Salvador, ela apresenta seus dois novos projetos: Júlia (a partir do texto de August Strindberg) e E Se Elas Fossem para Moscou (Anton Tchekhov). Outro destaque da cena nacional com projeção no exterior é Marcelo Evelin, Piauí, que mostra o espetáculo de dança De Repente Fica Tudo Preto de Gente, composto para cinco performers de diferentes cidades: Teresina, Kyoto, Ipatinga, São Paulo e Amsterdã.

Completam a programação nacional: Jacy (Grupo Teatro Carmin/RN), espetáculo de teatro documentário que aborda questões humanas e a história política do estado; Serpentes que Fumam e Poéticas Urbanas (Companhia Andaime/DF), intervenções urbanas que confrontam o público com poesias transformadas em cenas, respeitando a pluralidade do cenário urbano; e Muito Mais Vida Severina (Cia. Teatro Quase Cinema/SP), que, inspirada na obra de João Cabral de Melo Neto, leva o teatro de sombras para o espaço público.

A FIAC 2014 também reúne 13 produções baianas, de criadores e grupos de diferentes gerações e trajetórias, apresentando, num diálogo com a produção nacional e internacional, uma representativa amostra da cena local. Dois destes trabalhos são de grupos do interior do Estado: Algaravias: o Marujeiro da Lua (Cia. Olaria/Ilhéus) e Exu - A Boca do Universo (Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas). Os outros são da capital: As Velhas (Luiz Marfuz), Por Que Hécuba (Márcio Meirelles), Uteridades (Iami Rebouças), O Que de Você Ficou em Mim (A Outra Companhia de Teatro), Longa Jornada Noite Adentro (Companhia de Teatro da UFBA), Ouriço (Leonardo França), Gretas do Tempo (Balé Teatro Castro Alves), Fricção (Isaura Tupiniquim), Love (Jackson Costa), Pout-Pourri (Marvan Carlos) e o projeto triplo Um Piano, o Bolero e a Galinha (Huol Criações/Jacyan Castilho, Paula Lice e Igor Epifânio).

Fonte: http://www.tribunadabahia.com.br

Confira toda a programação do FIAC em: http://www.fiacbahia.com.br/

ESPAÇO MULTICULTURAL LÁLÁ TEM PROGRAMAÇÃO ESPECIAL PARA A FIAC



O Lálá, espaço multicultural que é a nova sensação de Salvador, esse ano montou uma programação super especial para o período em que o FIAC ocupa a cidade. O local no Rio Vermelho, que tem quatro ambientes e agrega música, teatro, performance, artes visuais e gastronomia, também vai reunir os artistas, profissionais e público do festival, num ambiente descontraído e favorável às trocas artísticas que o FIAC tem promovido ao longo de sete anos. Tudo regado a muita música.

Nesta sexta-feira (24/10), depois dos espetáculos de abertura do festival, as atrações do Lálá são os DJs que integram o Bailinho do Latitudes Latinas, a partir das 22h. Depois da 1h, DJ Mangaio comanda a pista. Sábado é dia de DJ Don Maths, que toca a partir das 22h, e domingo, uma pouco mais cedo, a partir das 21h, DJ Lola Bê.

Os ingressos custam R$ 10,00 (sexta e domingo) e R$ 20,00 (sábado). As atrações prosseguem no próximo fim de semana. O FIAC vai até 2 de novembro). Vale lembrar que, além da “pista”, o Lalá Multiespaço recebe também a programação artística do festival, com o projeto Um Piano, o Bolero e a Galinha, que será apresentado terça, 28/10 (às 20h) e quarta, 29/10 (às 22h), com três solos que propõem a junção entre teatro e gastronomia.

Confira a programação do Lálá:

24/10, 22h – Festa de abertura do FIAC com Bailinho do Latitudes Latinas e DJ Mangaio
25/10, 22h – DJ Don Maths
26/10, 21h – DJ Lola Bê
28/10 (20h) e 29/10 (22h), – Espetáculo Um Piano, o bolero e a galinha
30/10, 22h – DJ Riffs
31/10, 21h – DJ Pavlos e convidados
01/11, 21h – DJ Cabaret Gypsy com Panorama de Cinema
02/11, 21h – Festa de encerramento do FIAC com Ed Brass Brasil

Ingressos: custam R$ 10/00 (sexta e domingo) e R$ 20,00 (sábado).

Comentários

Postagens mais visitadas