Festival de Arte Digital tem a interatividade como foco


Uma programação diversificada tendo como eixo central a arte digital são marcas registradas da 5ª edição do Festival de Arte Digital – FAD 2011. O público teve a oportunidade de conferir simpósios, performances, laboratórios. O Festival, que segue até o próximo dia 02 de outubro, no Museu Inimá de Paula, continua com a exposição do FAD Galeria, apresentando obras interativas de diversas localidades do mundo.



Onze trabalhos, que promovem a interação entre a arte e o público, são apresentados no 3° piso do Museu Inimá de Paula. Instalações interativas, paisagens e objetos animados pelos próprios visitantes, montam um ambiente desafiador e intrigante. Entre os trabalhos está aObra Ada, da artista Karina Smigla Bobinski, em detalhe ao lado e "O Jardim do Tempo 02" - Coletivo VOID, acima. As fotografias são de Bruna Finelli.

Educação

O FAD também leva arte digital para o universo escolar. Para isso, foi criado o FAD Educativo. Durante o horário de funcionamento do museu, são agendadas diversas visitas com alunos de escolas da capital e região metropolitana. Durante um passeio guiado, os estudantes têm a oportunidade de entender melhor os conceitos da arte digital, além de poder interagir com as obras.

Dentre as instalações de maior sucesso entre os pequenos estão “ADA”, um globo transparente, preenchido com hélio, que flutua livremente pela sala, deixando marcas nas paredes, tetos e pisos. O visitante pode mover o globo, fazendo com o que cada estímulo se transforme em uma marca. Outro sucesso é o “Hidrostatic Journey to the Origins of Consciousness”, um colchão d’água, no qual a pessoa se deita para assistir a um vídeo projetado em uma tela suspensa. Uma experiência surpreendente. A obra “La Marche de I’oursin” utiliza um jogo de imãs e alfinetes para demonstrar os movimentos de um ouriço-do-mar.

Debates – As universidades também são parceiras do evento, cedendo seus espaços para discussões entre profissionais e o público acadêmico. O FAD PAPO 2011 encerra sua edição nesta quinta-feira (22/09). O último encontro, que faz parte da programação especial de aniversário dos 40 anos da Faculdade de Comunicação e Artes da Puc Minas, irá contar com a presença do doutor em Literatura Comparada pela UFMG, Marcelo Kraiser. O tema discutido será “Entre o analógico e o digital na criação de sons e imagens”. Kraiser irá apresentar o processo de criação de imagens e sons em vídeos desenvolvidos por ele. Além disso, a transição de fotografias, poemas visuais, músicas para performances, danças e cenas teatrais entre meios analógicos e digitais. As inscrições podem ser feitas pelo email: educacional@festivaldeartedigital.com.br.
A quinta edição do Festival de Arte Digital conta com o patrocínio da Petrobras e co-patrocínio da Contax. Como apoiadores estão o roBOt, o consulado italiano, a Prefeitura de Belo Horizonte, a Prefeitura de Bologna, a Lei Federal de Incentivo à Cultura (Ministério da Cultura/Governo Federal) e a Lei Municipal de Incentivo à Cultura (Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte).

O Festival – FAD, criado em 2007, reafirma o propósito de ampliar a agenda nacional de eventos com a marca da fusão entre arte e tecnologia. O evento une, em um mesmo espaço, o melhor da produção brasileira e internacional, com apresentação de trabalhos inéditos. Além de contribuir para a exibição da arte eletrônica em Minas Gerais, no Brasil e no mundo, o festival desperta o interesse para projetos e obras inovadores e consistentes.

Com isso, o FAD gera resultados significativos na área digital, promovendo o crescimento da criação e exibição no Brasil de trabalhos experimentais de arte, criados a partir de tecnologia digital; cumpre o papel de gerador de programas de conteúdos culturais diversos; promove o acesso da população a novas tendências e manifestações artísticas; e divulga e contribui para a formação de novos talentos e conceitos. O Festival também tem como meta primordial a questão da acessibilidade à informação e ao conhecimento. A produção de arte eletrônica e mídia digital contemporânea encontram no FAD um de seus mais importantes canais de divulgação.

Serviço
5º FESTIVAL DE ARTE DIGITAI – FAD
FAD Galeria: até 2 de outubro
Local: Museu Inimá de Paula
Endereço: Rua da Bahia, 1201 – Centro – Belo Horizonte/MG
Entrada gratuita
Informações: www.festivaldeartedigital.com.br

FAD Galeria


Horário: Terça, quarta, quinta e sexta: das 10h às 19h;
Sábado: 10h às 19h; Domingo: 12h às 19h (não funciona às segundas-feiras)

Hidrostatic Journey to the Origins of Consciousness

Brandon Barr (EUA)
Descrição: Deitado em um colchão d’água o espectador assiste a um vídeo projetado na tela. Uma câmera posicionada no fundo de um tanque que filma, apontada para o céu, enquanto o tanque é transportado de Kansas ao Rio Missouri e de volta à cidade.

Parasimétrica – Algoritmo das Cores
Cadu Lacerda (Brasil-RJ)
Descrição: Um código computacional transforma a digitação das letras e números em cortes de uma escala cromática. A essa digitação foram atribuídos textos referentes à atividade filosófica sobre a arte formando telas impressas e objetos tridimensionais.

Nervous Structure

Cuppetelli and Mendoza (EUA)
Descrição: Série de instalações interativas e de site specific que consistem em estruturas de barbante e tecido, iluminadas com imagens interativas de computador, que reagem na presença e movimento dos espectadores.

Sismo
Felipe Norkus (Brasil-RJ)
Descrição: Sistema de troca em constante retroalimentação entre som e imagem, onde o movimento é o componente que une esses dois elos.

timeLandscape woolrhytms
Juliana Mori (Brasil-SP)
Descrição: Uma paisagem documentada por meio de múltiplas possibilidades temporais é (re)composta em tempo real a partir da interação com um objeto físico

ADA
Karina Smigla-Bobinski (Alemanha)
Descrição: Criatura” pós-industrial animada pelos visitantes. O globo, quando em ação, cria uma composição de linhas e pontos que permanece incalculável em sua intensidade, expressão e forma, não importando o quanto o visitante o tente controlar.

La marche de l'oursin / Nuage en suspension / Leon
Laurent Debraux (França)
Descrição: “La Marche de I’oursin”: Imãs e alfinetes criam movimento que se assemelha ao de um ouriço-do-mar. “Nuage en suspension”: Uma nuvem de algodão flutua no ar, a alguns centímetros de altura. “Leon”: Imãs e blocos de cobre em um gestual estranho e belo.

Passo-a-passo

O Grivo (Brasil-MG)
Descrição: A velocidade e os sentidos de seis motores de passo são controlados por um software e fazem girar algumas polias que, ao se movimentarem, interrompem a recepção de luz de alguns foto sensores. A cada interrupção um software de áudio dispara um som.

O Jardim do Tempo

VOID (Portugal)
Descrição: Inspirada no texto “O Jardim dos Caminhos que se Bifurcam”, de Jorge Luís Borges, essa instalação é uma viagem no tempo que apresenta as múltiplas possibilidades de um percurso. O protagonista tem um dilema: ir ou não até o fim?

Comentários

Postagens mais visitadas